Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Programa Residência Pedagógica

De acordo com a Capes, “o Programa de Residência Pedagógica é uma das ações que integram a Política Nacional de Formação de Professores e tem por objetivo induzir o aperfeiçoamento da formação prática nos cursos de licenciatura, promovendo a imersão do licenciando na escola de educação básica, a partir da segunda metade de seu curso.

Essa imersão deve contemplar, entre outras atividades, regência de sala de aula e intervenção pedagógica, acompanhadas por um professor da escola com experiência na área de ensino do licenciando e orientada por um docente da sua Instituição Formadora.

A Residência Pedagógica, articulada aos demais programas da Capes compõem a Política Nacional, tem como premissas básicas o entendimento de que a formação de professores nos cursos de licenciatura deve assegurar aos seus egressos, habilidades e competências que lhes permitam realizar um ensino de qualidade nas escolas de educação básica”.

Conforme o Projeto Institucional do Programa Residência Pedagógica da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, a UFERSA tem como uma de suas missões contribuir para a construção da cidadania, através da preparação de profissionais capazes de atender as demandas da sociedade. Ver, no Programa de Residência Pedagógica (PRP), uma melhoria da qualidade do processo de formação docente de seus cursos de licenciatura e da Educação Básica expressando, inicialmente, neste Projeto Institucional, duas razões pelas quais a este se articulam os subprojetos do PRP. A primeira está relacionada à natureza dos cursos que, coadunada à intenção de contribuir com a formação teórico-prática dos alunos, alinham-se à missão dessa IES no contexto regional onde se situa, e à pretensão deste Projeto.

Os subprojetos articulam-se entre si e ao Projeto Institucional no tocante à relação Educação-Estágio, Tecnologias Digitais-Linguagens, Diversidade-Interdisciplinaridade, em torno do eixo estruturante: FORMAÇÃO DOCENTE E ESTÁGIO NO CONTEXTO DO SEMIÁRIDO: TECNOLOGIAS DIGITAIS, LINGUAGENS, DIVERSIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE.

No tocante à relação Tecnologias Digitais-Linguagens, se ligam os cursos Licenciatura em Matemática – EAD, Licenciatura em Letras/Inglês e Licenciatura em Computação e Informática. Fazendo parte do contexto atual em que se insere o processo de formação de professores no país, esses cursos e seus respectivos subprojetos se realizam mediante aprendizagens e práticas que envolvem as tecnologias digitais e buscam atender e promoverem novas linguagens essenciais ao mundo contemporâneo ao qual se liga a formação de professores.

Com relação à articulação Diversidade-Interdisciplinaridade, também em conformidade com a BNCC, tem-se a Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo, que atentando-se à diversidade de saberes e às vivências culturais no campo semiárido, com vista à prática docente a partir de uma visão interdisciplinar enquanto “uma necessidade” (FRIGOTTO, 1995) que possibilita entender as relações próprias do mundo do trabalho, compõe outro subprojeto necessário às novas práticas em sala de aula.

Todas essas relações evidenciam como os subprojetos aqui mencionados se articulam com o Projeto Institucional, um esforço desempenhado pela UFERSA por promoção de melhoria da formação docente em seus campi com vista à qualidade da Educação Básica a partir das escolas-campo, dos residentes e preceptores.

Essa IES, com seus cursos de licenciatura procura, não apenas conferir uma habilitação legal ao exercício profissional da docência, e com o Programa de Residência Pedagógica, visa colaborar para o exercício dessa atividade, “[…] uma vez que professorar não é uma atividade burocrática para a qual se adquire conhecimentos e habilidades técnico-mecânicas” (PIMENTA, 1997, p. 6). Assim, com a pretensão de contribuir com o processo de formação dos discentes historicamente situados nesta porção do Nordeste brasileiro (semiárido), os subprojetos aqui relacionados procuram desenvolver conhecimentos e habilidades, atitudes e valores que possibilitem aos alunos, permanentemente, irem construindo seus saberes fazeres docentes mediante as necessidades e desafios que a prática docente impõe cotidianamente. Por isso, “Espera-se, pois, que mobilize os conhecimentos da teoria da educação e da didática, necessários à compreensão do ensino como realidade social e, que desenvolva neles, a capacidade de investigar a própria atividade para, a partir dela, constituírem e transformarem os seus saberes-fazeres docentes, num processo contínuo de construção de suas identidades como professores” (PIMENTA, 1997, p. 6).

27 de novembro de 2018. Visualizações: 1029. Última modificação: 27/11/2018 15:18:28